Aprendizagem em Foco | Flexibilização Ensino Médio exige ajustes na carga horária

Instituto Unibanco em 2016
Carga horária atual e excesso de disciplina inviabilizam flexibilização do currículo do Ensino Médio, aponta estudo
Nesta edição do boletim Aprendizagem em Foco, destacamos os principais resultados do estudo “Ensino Médio no Brasil: Distribuição dos Tempos por Áreas e Componentes Curriculares”, realizado pelo Instituto Unibanco com apoio do Conselho Nacional dos Secretários de Educação (Consed) e do Movimento pela Base Nacional Comum.
O cálculo do tempo médio de horas de aula no Ensino Médio foi feito após consulta às secretarias estaduais de educação das 27 unidades da federação. Elas informaram quantos minutos tem uma aula padrão em sua rede, e quantas aulas são dadas em cada disciplina.
Uma das primeiras constatações do estudo é de que há uma significativa discrepância no número de horas-aula ofertadas para alunos do Ensino Médio diurno, do noturno, e da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Enquanto no diurno e na EJA a carga horária ofertada supera o mínimo legal no noturno ela está aquém do exigido por lei. O levantamento revela ainda que Língua Portuguesa e Matemática respondem por quase um terço do total de horas-aula do Ensino Médio.
A conclusão do estudo é que não se trata de replicar o modelo atual de matriz (organizada por disciplinas) em menos horas, pois isso resultará apenas em cortes nos tempos de aula. A ideia é que a reformulação do Ensino Médio permita “qualificar os tempos, trazer maior integração entre os saberes e melhorar a qualidade da informação”.